Psicologia

A mocinha bonita do período vespertino do caixa da padaria aqui da esquina, enquanto passava meu cartão, me contava que morava muito longe, que saía tarde do serviço, que pegava três conduções, que demorava não sei quantas horas pra chegar na estação do bairro dela, que caminhava mais quinze minutos até sua casa, que no dia seguinte ainda acordava às cinco e meia da manhã pra ir pra escola, que precisava trabalhar…
— Seu marido não vai te buscar pra não ter que andar sozinha de madrugada?
— Vira essa boca pra lá!
— Noivo?
— Tá louco?
— Namorado?
— Nem pensar!
— Você não tem ninguém? Tão bonita…
— Deus me livre! Homem é muito psicológico. Muito assunto no ouvido.
— …
— Vai querer seu comprovante, senhor?

Comments are closed.